A Praça Francisco Pereira (Praça da Prefeitura), recebeu o maior publico da história de Apuarema neste último dia 31. Tudo isso , porque o prefeito Raival Pinheiro, realizou a maior festa e show com fogos de artifícios já visto na cidade, para recepcionar o ano de 2018.

Apesar dos momentos de dificuldades que o município vem enfrentando, o Prefeito Raival Pinheiro garantiu aos apuaremenses à alegria de recepcionar o ano de 2018 com muita alegria e motivação. Além dos foliões da própria cidade, o publico da região inteira compareceu para prestigiar o evento. O comercio ficou superaquecido e o animo e à autoestima do conterrâneo voltou a ficar bem.


 

A Vereadora Aerveles Bastos Amorim, PSC, foi escolhida como a melhor vereadora do município de Apuarema.  A enquete é realizada todos os anos através do facebook pelo blog Apuarema 24horas. Em uma disputa acirrada e apertada com o vereador Willian Vital (segundo lugar), com diferença de apenas 16 votos foi eleita com base em critérios decididos pelos próprios eleitores e internautas.

A Vereadora Aerveles Amorim, é filha do ex-Vereador Amorim e esposa do ex-vereador Renildo, com uma enorme experiência política, apesar de ser seu primeiro mandato no legislativo, a vereadora proporcionou no ano de 2017 cursos profissionalizantes para os jovens da cidade.

Nossa redação tentou entrar em contato com a vereadora, mas até a publicação, nenhuma ligação realizada com sucesso.


O vereador da situação Josival dos Santos Freitas (PT do B), da pequena cidade de Itamari – BA, 16 km de Apuarema, foi escolhido pela maioria dos votos em uma enquete do facebook do Apuarema24horas, como “o melhor vereador de 2017”.

Em meados de Junho de 2017 , o vereador já tinha ficado entre os três primeiros colocados e agora conseguiu alavancar sua posição conquistando a simpatia dos eleitores internautas da pequena Itamari.

Em contato exclusivo com nossa redação o Vereador Josival agradeceu a todos os que votaram e disse que seu trabalho pela comunidade não vai parar e que agora em 2018 deverá dobrar ainda mais seus esforços para atender as necessidades da população.


Os bancos só voltam a atender o público no próximo dia 2 de janeiro.
Esta quinta-feira (28) é o último dia que as agências bancárias abrirão para atendimento ao público, com expediente normal para a realização de todas as operações bancárias. Na sexta-feira (29), último dia útil do ano, as instituições realizam apenas despachos internos. Os bancos só voltam a atender o público no próximo dia 2 de janeiro, na terça-feira, no horário normal de expediente, segundo a Federação Brasileira de Bancos (Febraban). As contas de consumo, como água, luz, telefone e TV a cabo, bem como os carnês que estiverem com vencimento nas datas em que as agências estiverem fechadas, poderão ser pagos no dia 2 de janeiro sem a incidência de multa por atraso. Entre as alternativas, os clientes podem utilizar caixas eletrônicos, internet banking, mobile banking, banco por telefone e correspondentes (casas lotéricas, agências dos Correios, redes de supermercados e outros estabelecimentos comerciais credenciados) para realizar as operações bancárias. Além disso, as contas que possuem código de barra poderão ser pagas nos próprios caixas automáticos. De acordo com a Febraban, as lotéricas que trabalharem nesta sexta-feira (29) receberão os pagamentos de contas, entre outros serviços bancários. Entretanto, a operação somente será contabilizada no dia 2 de janeiro.
Fonte: Giroem Ipiau

 

Armados com um revolver a dupla conseguiu roubar mais de R$ 200 em dinheiro de passageiros de um ônibus que fazia linha Jequié/Gandu, e logo em seguida fugir por um matagal às margens da estrada. Os suspeitos foram capturados pouco tempo depois, quando retornavam para Jequié em um ônibus da mesma empresa.

O ônibus onde estavam Weslley Leite Santos, 19 anos, e um menor de 16 foi interceptado por uma Guarnição da Polícia Militar.

Eles foram detidos, reconhecidos pelas vítimas e logo em seguida encaminhados para a delegacia, em Jequié.

 

Fonte: DiarioParalelo


 

O Palácio do Planalto e a cúpula do PMDB têm uma estratégia pronta para tentar viabilizar a candidatura do presidente Michel Temer à reeleição, em 2018, apesar da aprovação ainda estar na casa de um dígito. O plano é ancorado em pilares que incluem não só a melhoria de indicadores econômicos, mas também o reforço da agenda social. Na lista das medidas que serão anunciadas, nos próximos dias, está a prorrogação do limite de R$ 1,5 milhão para o financiamento da casa própria com recursos do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS). A sete meses do prazo para os partidos escolherem os candidatos, Temer faz de tudo para agradar à classe média e vai reembalar programas sociais da era petista, dirigidos às camadas mais pobres. Até abril o governo concederá novo reajuste ao Bolsa Família. A ideia é dar aumento real, acima da inflação. O pacote de bondades a ser divulgado antes do início da campanha inclui mais subsídios para beneficiários do Minha Casa Minha Vida e uma nova versão do Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego (Pronatec), para qualificar quem está no mercado de trabalho. A candidatura de Temer depende, porém, da reversão de seus baixíssimos índices de popularidade e da construção de ampla aliança de centro para sustentar essa empreitada ao lado do PMDB, dono do maior tempo de TV no horário eleitoral. Para tanto, a meta do Planalto é que o presidente chegue ao início de abril com índice de aprovação de no mínimo 15%, praticamente o triplo do que tem hoje. Na semana passada, pesquisa da CNI/Ibope mostrou que o aval a Temer subiu de 3%, em setembro, para 6%, em dezembro, mas seu desempenho continua aquém das expectativas. Sem herdeiros no PMDB, Temer entra em 2018, último ano de seu mandato, como um sobrevivente de escândalos políticos e com uma base aliada bem menor do que quando assumiu o governo, no rastro do impeachment da petista Dilma Rousseff. Sua prioridade é emplacar, em fevereiro, a reforma da Previdência, considerada essencial para o ajuste das contas públicas. Apesar da prática da distribuição de cargos e liberação de verbas, o Planalto ainda não tem os 308 votos necessários para aprovar a proposta na Câmara. A possível entrada do ministro da Fazenda, Henrique Meirelles (PSD), no páreo presidencial não empolga o governo, mas o apoio a ele continua no radar, caso Temer não decole ou fique impedido de concorrer por problemas de saúde. Neste ano, o peemedebista passou por duas cirurgias urológicas e um procedimento para desobstruir artérias coronárias. Meirelles é um dos 15 ministros que têm interesse em disputar as eleições. Ele pode migrar para o PMDB, caso seja escolhido como candidato. É na campanha que Temer pretende vender a marca de “governo reformista”, mesmo com os sucessivos desgastes enfrentados na política e os reveses na economia, como o fechamento de 12,3 mil vagas formais de emprego, em novembro, e a ampliação do déficit fiscal para R$ 159 bilhões. No ano em que as delações do empresário Joesley Batista e de outros executivos da J&F à Lava Jato quase derrubaram o governo, o presidente também tornou-se refém do Centrão – bloco formado por partidos médios, como PP, PR, PTB e PSD – para conseguir sobreviver à crise. Em maio, após vir à tona o depoimento de Joesley, Temer foi aconselhado a renunciar, mas resistiu. “Eu não caio de joelhos. Caio de pé”, afirmou àépoca. Em junho, uma votação apertada o salvou de ter o mandato cassado pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE), que julgava acusações de abuso do poder político e econômico contra a chapa encabeçada por Dilma, de quem era vice. Temer ainda conseguiu barrar na Câmara as duas denúncias apresentadas contra ele pelo ex-procurador-geral Rodrigo Janot. Preocupado com os estragos em sua imagem, o presidente manteve conversas reservadas com o publicitário Nizan Guanaes, que lhe sugeriu o mote “O Brasil voltou” para destacar conquistas da gestão do PMDB, em comparação com números da era Dilma. Sendo ou não candidato, ele quer deixar o legado das reformas, embora essa agenda provoque desconfiança, por causa do receio da perda de direitos. No Planalto, o diagnóstico é de que, se no fim do primeiro trimestre a população começar a sentir o efeito da recuperação econômica, e Temer ultrapassar o dígito solitário nas pesquisas, o nome para empunhar a bandeira da centro-direita pode ser o dele. “O governo é como cobra: mesmo morto, mete medo”, disse o deputado Heráclito Fortes (PSB-PI). Até agora, no entanto, a maioria dos partidos aliados, alvejados pela Lava Jato, resiste a essa alternativa. Nos bastidores, muitos argumentam que é preciso uma fisionomia nova para quebrar a polarização entre o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) e o deputado Jair Bolsonaro (PSC-RJ). A adesão do PMDB ao projeto do governador Geraldo Alckmin (SP), pré-candidato do PSDB à Presidência, é hoje vista como remota. Fiador do governo, o PSDB deixou a coalizão no início deste mês, após uma guerra interna. No espectro de centro, corre por fora o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), que entrou em confronto com o PMDB e o Planalto. Maia jura que é candidato à reeleição, mas o DEM quer lançá-lo à sucessão de Temer. “Se a eleição tiver Lula, será uma coisa; se não tiver, será outra”, comentou o ministro das Relações Exteriores, Aloysio Nunes Ferreira, referindo-se ao julgamento do ex-presidente pelo Tribunal Regional Federal da 4.ª Região, em 24 de janeiro. Defensor de Maia, o deputado Efraim Filho (PB), líder do DEM, disse que a centro-direita vai errar se permitir a pulverização de candidatos e que as pessoas buscam resultados de gestão. “A sociedade não quer blablablá e pouco importa se a bandeira será vermelha, amarela, azul ou laranja”, insistiu ele. “Não podemos incorrer no mesmo equívoco da esquerda, que se dividiu. As pessoas querem resultados de gestão”. Foi a imagem de gestor, sem faixa presidencial, que Temer quis transmitir na foto oficial tirada no início de maio, antes das delações da JBS, mas que só ganhou as paredes do Planalto há um mês e meio. Até pouco tempo atrás, ele via a iniciativa como um culto à personalidade. Agora, gosta da foto.


Uma mega estrutura foi montada na Praça Francisco Pereira (Praça da Prefeitura), neste final de ano para a realização das festas de Natal e Ano Novo. Nesta última segunda (25), o coral da cidade de Itamari e uma banda gospel , Dynamis, realizou o show especial de natal para a comunidade. Em clima familiar, as crianças se encantaram com a qualidade das apresentações, além do show gospel em adoração a Deus.

Os comerciantes agradeceram o apoio e investimento da Prefeitura Municipal de Apuarema, pois, segundo relato há muitos anos Apuarema não vivencia um natal especial e tão movimentado.

A mesma estrutura deverá ficar montada para a realização do show da virada que já tem a banda mistura dez e Neto Azevedo confirmados.


Apesar da crise econômica e financeira, a maioria dos brasileiros afirma nunca ter pensado em morar em outro país, de acordo com levantamento do Instituto Paraná Pesquisas: 68,7% disseram nunca ter planejado emigrar, enquanto 31,3% responderam que já pensaram nisso. A quantidade de pessoas que já quis sair do Brasil é maior entre homens (34,3%) do que entre mulheres (28,5%). O desejo de emigrar é maior entre os jovens de 16 a 24 anos (38,5%) e vai reduzindo à medida que a faixa etária eleva: 37,7% entre pessoas de 25 a 34 anos; 35,3% para os que têm entre 35 a 44; 27,3% para os adultos de 45 a 59; e 17,9% para as pessoas acima de 60. A vontade de morar fora é acima da média entre as pessoas de maior escolaridade: 40,7% dos que tem Ensino Superior; enquanto 22,7% com Ensino Fundamental têm o mesmo pensamento. A ideia de sair do Brasil varia pouco entre as regiões, sendo o maior número no Sudeste (33,8%) e o menor número no Nordeste (27,3%). A quantidade de pessoas que querem morar fora do país aumenta quando a questão indica que o entrevistado teria uma oportunidade para fazê-lo: desta forma, 49% dizem que gostariam de emigrar e 48% responderam que não o fariam. Com a questão apresentada desta maneira, os números ampliam em todos os recortes, mantendo proporcionalmente a diferença entre mulheres (46,5%) e homens (51,7%). Praticamente dobra o índice entre os que têm Ensino Fundamental (40,6%), mas o maior número ainda está entre os que têm Ensino Superior (56,7%). A perspectiva de morar fora também cresce no Nordeste (45,1%) e a quantidade maior se mantém no Sudeste (52,4%). Os idosos (60 anos ou mais) passam a expressar maior desejo em deixar o Brasil (28,4%), mas o índice se torna maior entre os que têm entre 25 e 34 anos (59,9%). Entre os motivos mais apontados pelos entrevistados predominam qualidade de vida (26,6%), segurança pública (22,5%), futuro dos filhos (8,7%), renda e dinheiro (7,9%). A pesquisa indica ainda que o movimento de saída do país está ocorrendo: 67,4% dos entrevistados afirmam conhecer alguém que está morando no exterior. O índice se eleva entre pessoas com Ensino Superior (81%); moradores do Sul (74,8%) e do Sudeste (72,7%); e pessoas na faixa entre 45 a 59 anos (72,7%) e 35 e 44 anos (71,6%). Foram entrevistadas 2.432 pessoas em 168 municípios de 26 estados e do Distrito Federal, entre os dias 12 e 14 de dezembro. A margem de erro é de 2%, com grau de confiança de 95%. 


Os pagamentos variam de R$ 79 a R$ 937

Um total de 43.670 baianos ainda não sacou o PIS/Pasep, cujo prazo para retirada termina amanhã e, segundo o Ministério do Trabalho, não haverá nova prorrogação. O montante em dinheiro soma R$ 31,7 milhões. Em todo o Brasil, 1,4 milhão de trabalhadores não tinham sacado seu benefício até novembro (últimos dados oficiais). O valor total disponível soma R$ 979,54 milhões.

Para ter direito ao abono salarial ano-base 2015, o trabalhador formal precisa estar enquadrado nos seguintes critérios: vínculo formal a uma empresa ou órgão público por pelo menos 30 dias em 2015; remuneração média de até dois salários mínimos no período trabalhado; inscrição no PIS há pelo menos cinco anos; e ter seus dados informados corretamente pelo empregador na Relação Anual de Informações Sociais (Rais).

O ministro do Trabalho, Ronaldo Nogueira, alerta para o encerramento do prazo. “Quem ainda não viu se tem direito, procure os bancos ou ligue para o telefone 158 do Ministério do Trabalho. Se informe, e se tiver direito ao benefício não deixe de sacar o dinheiro que pode ajudar a colocar as contas em dia neste final de ano”, alerta.

O chefe de divisão do abono salarial do ministério, Márcio Ubiratan, explica que o valor que cada trabalhador tem a receber é proporcional à quantidade de meses trabalhados. Quem trabalhou o ano todo recebe o valor na íntegra. Quem trabalhou um mês, por exemplo, recebe 1/12 do valor.

Os pagamentos variam de R$ 79 a R$ 937. Os trabalhadores da iniciativa privada, vinculados ao PIS, sacam o dinheiro nas agências da Caixa ou lotéricas. Já os servidores públicos, vinculados ao Pasep, sacam no Banco do Brasil.


Pela primeira vez em Apuarema cerca de 300 famílias carentes recebeu de presente de Natal um peru tamanho GG, para confraternização em família neste natal.  As entregas foram realizadas pelas mãos do próprio Prefeito Raival Pinheiro, acompanhado de sua equipe na Direasso do Bairro José Novaes com Deivid e Série no CRAS a comunidade do Bairro vermelho pelos Diretores Flávio e Rosana Cláudia.

Os moradores agradeceram o gesto de amor e confraternização do Prefeito em viabilizar o a Ceia de natal dos moradores destas comunidades.