Em depoimento espontâneo à Operação Lava Jato, o engenheiro Glauco Legatti, funcionário aposentado da Petrobras, confessou ter recebido propina do operador Shinko Nakandakari, um dos delatores do esquema de corrupção na estatal. Legatti, que atuou como gerente-geral da Refinaria do Nordeste, em Abreu e Lima (PE), entre 2008 e 2014, declarou que Shinko deu a ele caixas de uísque recheadas de dinheiro vivo.
Em audiência em junho de 2015, frente ao juiz federal Sérgio Moro, o engenheiro havia negado o recebimento de R$ 400 mil, em propina, de Nakandakari – este havia declarado, em sua delação, que pagou os R$ 400 mil a Legatti, parceladamente, “a pedido da Galvão Engenharia”.
Na ocasião, Legatti depôs como testemunha em ação contra executivos da Galvão Engenharia, uma das empreiteiras acusadas de fazer parte do cartel que se apossou de contratos bilionários da Petrobras.
Legatti teve sua tentativa de delação premiada frustrada e, então, decidiu procurar a Lava Jato para prestar depoimento “de forma espontânea”, em 9 de novembro deste ano, como tentativa de receber benefícios legais. O engenheiro disse que conheceu Nakandakari “por volta de 2001/2002”.
“Em algum momento, Shinko (Nakandakari) chegou a lhe oferecer vantagem indevida para que atuasse de alguma forma que não chegou a esclarecer, mas que o declarante negou, em razão de sua amizade e porque ficou preocupado que Shinko fosse lhe ficar cobrando favores; que isso ocorreu por volta de 2010, quando já estava na RNEST”, relatou.
O engenheiro contou que, em 2013, ele e Nakandakari se encontraram “com frequência” no Rio para jantar e tomar drinks em hotéis. Em um dos encontros, declarou, Nakandakari disse que a “diretoria” estava muito contente com o trabalho dele na RNEST. Segundo Legatti, por “diretoria” ele entendeu Galvão Engenharia, “já que Shinko era uma pessoa vinculada” à empreiteira na época.
“Shinko voltou a oferecer vantagem indevida ao declarante, que novamente o declarante negou; que o declarante deixou claro para Shinko que ajudaria a Galvão no que fosse possível, mas nada fora ou contra suas atribuições; que de qualquer maneira, Shinko entregou ao declarante, em um determinado jantar, uma caixa de uísque; que Shinko disse ao declarante que, dentro da caixa, havia um outro presente; que dentro da caixa, havia dinheiro, em espécie”, contou.
Legatti disse que este encontro ocorreu no Hotel Sofitel. Em outra oportunidade, relatou, Shinko Nakandakari deu-lhe “uma nova caixa de uísque”. “A segunda vez ocorreu no Caesar Park, em um café da manhã, também em uma caixa de uísque; que ainda houve uma terceira entrega de dinheiro, na casa do declarante, da mesma forma (também dentro de uma caixa de uísque); que em todas as vezes, a caixa estava em uma sacola de free shop; que era prática comum de Shinko presentear o declarante com uísques e bebidas, e que portanto a primeira entrega não lhe surpreendeu, exceto pelo fato de estar com dinheiro dentro”, disse.
O engenheiro afirmou que, na primeira entrega, recusou o presente, “mas Shinko insistiu, dizendo que era uma presente dele”, então, “acabou ficando com o dinheiro, assim como ocorreu em mais duas ocasiões”.
“O declarante não se recorda quando as entregas ocorreram e com qual intervalo; que não sabe o total que recebeu do declarante (talvez R$ 120 mil algo em torno disso), mas que nega ter recebido R$ 400 mil; que acredita que Shinko pagasse outras pessoas, porque ele dizia que, quando iria entregar dinheiro em espécie ao declarante, ia de carro para o Rio de Janeiro, e que não parece crível que fosse viajar de carro só para levar dinheiro para o declarante”, diz seu depoimento.
“Para o declarante, sempre pareceu que os pagamentos vinham de Shinko, mas que lhe restou claro que, para Shinko, os pagamentos advinham da Galvão, ou seja, se originavam de sua atuação na Galvão; que Shinko, em determinado momento, parou de lhe presentear com caixas com dinheiro, já por ocasião do início da Lava Jato.”
Glauco Legatti disse ainda que Shinko Nakandakari nunca lhe indicou os nomes de quem, na Galvão Engenharia, determinava os pagamentos em seu favor. (Correio24hs)

Um contador foi executado na porta de casa depois de reagir a um assalto, na região central de Jequié. A vítima foi o Odelival Serra Santana, conhecido como Dedé contador. O crime aconteceu por volta das 22 horas de sexta feira (25), em frente à casa da da cunhsda da vítima, na Rua Manoel Vitorino, bairro Campo do América. Segundo informações policiais, Dedé estava parado em frente a sua residência acompanhado da esposa a bordo de um veículo modelo picape Strada. Dois bandidos em uma moto se aproximaram, o carona desceu anunciou o assalto, foi quando Dedé reagiu e foi baleado na cabeça. O ladrão tomou a direção e fugiu em direção ao bairro São Judas Tadeu. Policiais militares a bordo da viatura gavião 27 do comando CETO saíram em perseguição e minutos depois interceptaram o ladrão com o veículo roubado nas proximidades do SESC, houve troca de tiros e o meliante foi baleado sendo socorrido pela viatura e morreu ao dar entrada no Hospital Prado Valadares. O segundo bandido que estava pilotando uma moto está foragido. O Comandante do 19° BPM, Tenente Coronel Mota Lima, parabenizou a todos os policiais pela resposta imediata e lamentou a morte de um cidadão de bem. “A morte do assaltante que confrontou com meus policiais não vai trazer a vida do senhor Odelival, mas nos deixa com a sensação de missão cumprida no combate ao crime”, disse o Comandante. Agora já são 92 pessoas mortas em Jequié, vítimas da violência esse ano. 

Fonte: JúniorMascote


Assista o vídeo


A bancada do PSOL na Câmara dos Deputados se antecipou ao PT e anunciou nesta sexta-feira (25/11) que protocolará na segunda-feira (28) um pedido de impeachment do presidente Michel Temer. ”Agora sim estamos diante de um crime de responsabilidade”, afirmou o líder do partido Ivan Valente (SP), em nota divulgada pela assessoria de imprensa. Para o processo ser aberto, o pedido precisa ser acolhido pelo presidente da Casa, Rodrigo Maia (DEM-RJ), aliado do governo. O partido vai se basear nas denúncias do ex-ministro da Cultura, Marcelo Calero, feitas em depoimento à Polícia Federal de que Temer interveio em favor dos interesses pessoais do ministro demissionário da Secretaria de Governo, Geddel Vieira Lima. Segundo Calero, Temer pediu para que ele resolvesse o impasse na liberação do empreendimento imobiliário em Salvador (BA), onde Geddel comprou um apartamento. O primeiro partido a defender a apresentação do impeachment de Temer foi o PT. Na quinta-feira (24) o líder da sigla na Câmara, deputado Afonso Florence (BA), disse que as bancadas na Câmara e no Senado continuarão atuando para apurar o caso, ”que agora ficou muito mais grave, com o envolvimento de Temer nas denúncias”. ”Identificado o crime de responsabilidade, o caminho é a abertura de um processo de impeachment de Temer. O governo Temer derrete”, disse o líder em nota.

Uma decisão de reintegração de posse desta sexta-feira (25/11) em caráter liminar determina a desocupação do campus da Uesb [Universidade Estadual do Sudoeste], em Vitória da Conquista, no sudoeste. A unidade de ensino superior está ocupada há 34 dias por manifestantes contrários à PEC 55 [Proposta de Emenda à Constituição] que limita gastos públicos em até 20 anos. A decisão, do juiz Ricardo Frederico Campos, desta sexta obriga que o grupo deixe as dependências da universidade em 24 horas. De acordo com o Blog do Anderson, a ação foi proposta pelo Movimento Liberta Uesb, de estudantes contrários à ocupação do espaço. (BMF)

Morreu na madrugada deste sábado (26) o ex-presidente de Cuba, Fidel Castro, aos 90 anos, em Havana, capital de Cuba. A informação foi divulgada pelo irmão de Fidel, Raúl Castro, em pronunciamento na TV estatal cubana. 
“Com profunda dor compareço para informar ao nosso povo, aos amigos da nossa América e do mundo que hoje, 25 de novembro do 2016, às 22h29, faleceu o comandante da Revolução Cubana, Fidel Castro Ruz”, disse Raúl Castro.
“Em cumprimento da vontade expressa do companheiro Fidel, seus restos serão cremados nas primeiras horas” deste sábado, prosseguiu o irmão. A última aparição pública de Fidel foi no dia 15 deste mês, quando ele recebeu o presidente do Vietnã, Tran Dai Quang. No dia 13 de agosto, ele comemorou o aniversário de 90 anos em uma festa que reuniu mais de 100 mil pessoas. Na ocasião, ele apareceu acompanhando do irmão Raul e do presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, e já apresentava um semblante fragilizado.
Considerado por muitos um grande revolucionário, e como um ditador sanguinário por outros, Fidel Castro ficou marcado na história por liderar o movimento que derrubou o ditador Fulgencio Batista, que comandava a ilha, ao lado do guerrilheiro Ernesto Che Guevara, em 1959. O movimento ficou conhecido como Revolução Cubana. 

Em julho de 2006, Fidel surpreendeu o mundo ao anunciar que estava cedendo o poder ao irmão Raúl, em caráter provisório, após sofrer hemorragias. Em 2008, em um texto publicado no jornal estatal “Granma”, ele anunciou sua renúncia. (Coreio24hs)

Enquanto isso , moradores da zona rural do município continuam sem transporte.
Segundo publicação do Diário Oficial do Município de
Apuarema, nos dias 16 e 24 a Prefeita Jozilene Barreto, que está findando encerrando
seu governo no próximo dia 31 de dezembro, gastou cerca de R$ 14 mil reais com
serviços de internet e informática.
A primeira publicação do Termo de Dispensa de Licitação nº 066/2016,
foi no dia 16 de novembro, onde o contratado foi Emerson Uallace Sandes Amparo,
da cidade de Itamari, para prestação de serviços de internet de banda larga com
capacidade de 10 MB LINK FULL, com manutenção nas redes internas da Prefeitura
de Apuarema. O período de vigência do contrato de 11/10 à 31/12/2016 e custou
aos cofres públicos o montante de R$ 7 mil reais.

Sete dias após, foi divulgado também o Termo de Dispensa de
Licitação nº 067/2016 , publicado no dia 23 de novembro e tendo como contratado
o Sr. Juliano Rodrigues Oliveira, da cidade de Manoel Vitorino, para a
prestação dos serviços de manutenção preventiva 
e corretiva dos equipamentos de informática , servidores, serviços de instalação
e configuração de software e etc. O período de vigência do contrato de 11/10 à
31/12/2016 e custou aos cofres públicos o montante de R$ 7 mil reais. 

Três prefeitos já estão sendo postos como virtuais candidatos à presidência da União dos Municípios da Bahia (UPB), nas eleições marcadas para a primeira quinzena de janeiro. Lideram as bolsas de apostas para suceder a prefeita de Cardeal da Silva, Maria Quitéria, presidente da entidade por dois mandatos, os prefeitos reeleitos Eures Ribeiro (PSD), de Bom Jesus da Lapa, José Ronaldo (DEM), de Feira de Santana e Reinaldo Braga Filho (PMDB), de Xique-Xique. O primeiro conta com apoio do senador Otto Alencar, presidente estadual do PSD, e de grande parte da bancada governista na Assembleia. O segundo foi o nome escolhido para representar a oposição. Já o terceiro transita entre dois mundos. De acordo com o Satélite, do jornal Correio, apesar de filiado a uma legenda adversária do Palácio de Ondina, o peemedebista é filho do deputado estadual Reinaldo Braga (PSL), aliado do governador Rui Costa (PT) e integrante do grupo de parlamentares mais próximos ao presidente da Assembleia, Marcelo Nilo (PSL).


(Foto:Wilton Jr./Estadão)
O TSE (Tribunal Superior Eleitoral) decidiu, nesta quinta-feira (24), revogar a prisão preventiva do ex-governador do Rio de Janeiro Anthony Garotinho. Segundo e decisão do plenário da Corte, no entanto, ele deverá pagar uma fiança de R$ 88 mil, o equivalente a cem salários mínimos. O habeas corpus havia sido pedido pela defesa de Garotinho. O único voto contra foi o do ministro Herman Benjamin. Garotinho foi preso na última semana, suspeito de usar o programa social Cheque Cidadão para comprar votos nas eleições de Campos dos Goytacazes, no Norte Fluminense. De acordo com a decisão do TSE, Garotinho deverá cumprir outras medidas cautelares: não poderá voltar a Campo de Goytacazes até o julgamento e nem sair de casa por mais de três dias sem autorização judicial, não poderá exercer a profissão de radialista e nem ter qualquer tipo de contato com testemunhas arroladas durante todo o andamento do processo.

Foto: Zeca Ribeiro / Câmara dos Deputados

Os deputados federais decidiram adiar a votação do projeto que poderia anistiar o crime de caixa 2 eleitoral, previsto para esta quinta-feira (24). Esta é a segunda vez que a votação fracassa, após articulações envolvendo o presidente da Casa, Rodrigo Maia (DEM-RJ), e líderes de partidos, a portas fechadas. A anistia seria incluída no pacote de medidas contra a corrupção apresentado pelo Ministério Público. De acordo com a Folha, não há prazo para que os temas sejam votados no plenário. 

Fonte: BN


Foto: Giro Em Ipiaú
A Polícia Federal deflagra em sete cidades do sul da Bahia,
na manhã desta quarta-feira (23) na Operação Melaço, que pretende desarticular
uma organização criminosa que fraudava vínculos empregatícios para obter
benefícios de seguro-desemprego e previdenciários. A ação ocorre em conjunto
com o Ministério Público Federal, Previdência Social, Ministério do Trabalho e
da Polícia Militar.
São cumpridos 31 mandados expedidos
pela Justiça Federal, 13 de prisão preventiva e 18 de busca e apreensão, nos
municípios de Ipiaú, Ibirataia, Valença, PradoPorto Seguro, Itamarajú e Santa Cruz
Cabrália
, todos na Bahia.
Segundo a investigação, a organização
criminosa contava com a participação de técnicos em contabilidade, aliciadores
e atendentes do Sine Bahia, que atuavam de forma coordenada há mais de 10 anos.
Os aliciadores recrutavam indivíduos dispostos a ceder seus documentos, como
carteira de trabalho e cartão cidadão.
Segundo informações do G1, os técnicos em contabilidade inseriam
contratos de trabalho retroativos, normalmente de um ano, nas carteiras de
trabalho e no Cadastro Nacional de Informações Sociais (CNIS) para essas
pessoas em empresas geralmente inativas ou constituídas em nome de
“laranjas”. Então eram forjadas as rescisões dos falsos vínculos
laborais, e requeridos os benefícios de seguro-desemprego e previdenciários.
Conforme a PF, a organização fazia apenas
o recolhimento do FGTS, que em seguida era sacado em razão de rescisão sem
justa causa. A investigação apurou que foram inseridos mais de seis mil
vínculos empregatícios falsos em pelo menos 236 empresas utilizadas nas fraudes.
Praticamente em todos os casos, houve requerimento de
seguro-desemprego. Esses requerimentos foram recepcionados, na maioria, nas
agências do Sine de Ipiaú, Itamarajú, Santa Cruz Cabrália, Prado e Valença,
indicando a participação dos agentes públicos na fraude.
De acordo com levantamento preliminar da
polícia, foram gastos mais de R$ 17 milhões em pagamentos de seguro-desemprego
com suspeita de fraude, e R$ 1 milhão em benefícios previdenciários com
suspeita de fraude.