A Prefeita do Município de Itamari , Pallomma Uzêda, acompanhou pessoalmente as obras do Estádio de Futebol do Município, conhecido popularmente como “Peladão”. Os trabalhos seguem em ritmo acelerado e de acordo com a empresa responsável, a missão é entregar ainda este ano.

A Prefeita de Itamari , Pallomma Uzêda , estava acompanhada do Vereador Josafá Santana (Zebu) e dos representantes da Escolinha de Futebol Bola de Ouro, que fazem trabalho social voluntário, os senhores André e Rebert, ex-atletas do município.

Somente no Governo da Prefeita Pallomma já foi inaugurada uma Quadra Poliesportiva, incentivos aos times de futebol, torneios regionais, cavalgadas, argolinhas e agora mais essa grande obra.

O estádio já é considerado um dos maiores e mais equipados da região.


uando uma mulher sofre violência entre quatro paredes, a solidão dela diante do agressor pode ser fatal. Por isso é importantíssimo que ela conte com a solidariedade de quem perceba a agressão – e denuncie. Pode ser um vizinho, um funcionário de um condomínio ou mesmo quem esteja passando na rua num momento desses

As mudanças começaram aos poucos: uma reclamação da roupa, depois a implicância foi com os amigos, trabalho. Logo, o casamento virou agressão.

“Eu estava presa dentro de um círculo. Eu não conseguia sair dessa violência. São marcas que vão ficar para o resto da minha vida”, diz uma mulher.

A mulher que tem uma relação violenta dentro de casa muitas vezes não consegue pedir ajuda. Medo, vergonha, culpa. Achar que o companheiro vai mudar, que as agressões vão diminuir são alguns dos motivos para o silêncio. O Brasil é o quinto país onde as mulheres mais sofrem com agressões domésticas no mundo.

A advogada Marina Ganzarolli é coordenadora de uma rede feminista de juristas que ajuda mulheres vítimas de violência. Para ela vizinhos, porteiros, colegas de trabalho, todo mundo tem que denunciar situações de violência contra a mulher.

“Por isso que a gente diz que em briga de marido e mulher se mete a colher sim porque, no próximo momento em que esse ciclo de violência se completar, a segunda agressão vai ser mais grave, a terceira ainda mais grave e um dia ela vai morrer”, afirma.

De janeiro a julho de 2018, foram quase 80 mil denúncias de agressão a mulheres no país. Física, psicológica, sexual, moral, cárcere privado. Não tenha medo de ligar para o 180 do Disque Denúncia. Não é preciso se identificar. O serviço é de graça e funciona 24 horas por dia.

“Nós precisamos ter a sensibilidade de perceber a mudança de comportamento dessas pessoas tão próximas a nós, e aí oferecer ajuda. Se perceber que ela está numa situação de violência, mas não quer denunciar, então faça isso. Faça um Disque-Denúncia ou vá numa delegacia, informe os fatos para que possamos evitar um feminicídio futuro”, alertou a delegada Renata Cruppi.


 

Quando uma mulher sofre violência entre quatro paredes, a solidão dela diante do agressor pode ser fatal. Por isso é importantíssimo que ela conte com a solidariedade de quem perceba a agressão – e denuncie. Pode ser um vizinho, um funcionário de um condomínio ou mesmo quem esteja passando na rua num momento desses

As mudanças começaram aos poucos: uma reclamação da roupa, depois a implicância foi com os amigos, trabalho. Logo, o casamento virou agressão.

“Eu estava presa dentro de um círculo. Eu não conseguia sair dessa violência. São marcas que vão ficar para o resto da minha vida”, diz uma mulher.

A mulher que tem uma relação violenta dentro de casa muitas vezes não consegue pedir ajuda. Medo, vergonha, culpa. Achar que o companheiro vai mudar, que as agressões vão diminuir são alguns dos motivos para o silêncio. O Brasil é o quinto país onde as mulheres mais sofrem com agressões domésticas no mundo.

A advogada Marina Ganzarolli é coordenadora de uma rede feminista de juristas que ajuda mulheres vítimas de violência. Para ela vizinhos, porteiros, colegas de trabalho, todo mundo tem que denunciar situações de violência contra a mulher.

“Por isso que a gente diz que em briga de marido e mulher se mete a colher sim porque, no próximo momento em que esse ciclo de violência se completar, a segunda agressão vai ser mais grave, a terceira ainda mais grave e um dia ela vai morrer”, afirma.

De janeiro a julho de 2018, foram quase 80 mil denúncias de agressão a mulheres no país. Física, psicológica, sexual, moral, cárcere privado. Não tenha medo de ligar para o 180 do Disque Denúncia. Não é preciso se identificar. O serviço é de graça e funciona 24 horas por dia.

“Nós precisamos ter a sensibilidade de perceber a mudança de comportamento dessas pessoas tão próximas a nós, e aí oferecer ajuda. Se perceber que ela está numa situação de violência, mas não quer denunciar, então faça isso. Faça um Disque-Denúncia ou vá numa delegacia, informe os fatos para que possamos evitar um feminicídio futuro”, alertou a delegada Renata Cruppi.


Um alerta para quem tem dívida no cartão de crédito: o banco não pode impor um financiamento sem consultar o consumidor.

Ninguém gosta de ter dívidas. Com a agente escolar Carla Gonçalves Gomes não seria diferente. Mas ela atrasou o pagamento do cartão de crédito por alguns dias e quando foi acertar as contas ouviu a seguinte mensagem: “Entrou no parcelamento automático, a senhora não pagou na data, então o banco automaticamente parcelou”, conta Carla. E em 24 vezes.

“Um parcelamento para se perder de vista. Eu nunca, jamais pedi esse parcelamento”, diz Carla.

O parcelamento é uma consequência de uma determinação divulgada em 2017 pelo Banco Central.

Se o cliente não faz o pagamento integral da fatura, a instituição financeira tem que oferecer a esse consumidor uma linha de crédito mais vantajosa, ou seja, com taxas de juros menores.

É que os juros do cartão de crédito são altíssimos e ter acesso a uma taxa mais barata, que não aumente tanto a dívida, isso é muito bom. Mas é preciso ficar atento; essa oferta, por mais vantajosa que seja, não pode ser imposta ao cliente.

O advogado Arthur Rollo, especialista em Direito do Consumidor, afirma que o banco precisa entrar em contato com a pessoa endividada para, juntos, decidirem se haverá um pagamento único ou parcelado, em quantas vezes e qual a melhor taxa.

“Um dos direitos mais importantes do consumidor é sua liberdade de escolha, e essa liberdade de escolha só vai acontecer diante de uma informação completa. O que significa que o consumidor não é obrigado a aceitar aquele prato feito imposto pelo banco”.

O cliente pode escolher se fica ou se leva a dívida para outro banco que ofereça taxas ainda melhores, usando a portabilidade.

Os bancos e as administradoras de cartões se defendem. Negam a imposição de qualquer forma de pagamento, e dizem que é interesse dos dois lados saldar a dívida.


 

Começa nesta quarta-feira (8) o pagamento do Fundo PIS-Pasep aos cotistas de todas as idades que são correntistas da Caixa Econômica Federal e Banco do Brasil. Os saques atingem 6,3 milhões de pessoas, no valor total de R$ 5,5 bilhões, de acordo com o Ministério do Planejamento.

Segundo o governo, os cotistas que possuírem conta corrente na Caixa Econômica Federal ou no Banco do Brasil e que estiverem com o cadastro do Fundo PIS-Pasep atualizado receberão o depósito automaticamente, sem necessidade de se dirigir às agências.

Devido à compensação noturna, os correntistas desses bancos poderão verificar os valores em suas contas a partir de quinta-feira (9).

Porém, considerando o alto volume de pagamentos envolvido, por segurança, os pagamentos automáticos serão realizados gradualmente no período de uma semana.

A Caixa Econômica Federal é responsável por pagar o dinheiro do PIS aos funcionários da iniciativa privada, e o Banco do Brasil paga o Pasep aos servidores públicos.

Quem tem direito

Quem trabalhou com carteira assinada na iniciativa privada ou foi servidor público civil ou militar entre 1971 e 1988 tem direito a receber o Fundo PIS-Pasep. A média de valor para cada beneficiário é de R$ 1.375, mas o Ministério do Planejamento afirma que o valor a ser recebido depende de quanto tempo a pessoa trabalhou no período em que vigorou o Fundo PIS-Pasep.

No ano passado, o governo decidiu estender a idade dos beneficiários, primeiro para o mínimo de 65 anos no caso dos homens e 62 no caso das mulheres, e depois reduziu para 60 anos a idade mínima para recebimento.

Em junho, o governo autorizou que todos os brasileiros que receberam esse dinheiro entre 1971 e 1988 pudessem retirá-lo.

Calendário

A partir de 14 de agosto, o saque estará liberado para todos os cotistas, que podem ir até as agências bancárias da Caixa Econômica Federal ou do Banco do Brasil.

São cerca de 17,5 milhões de pessoas que poderão sacar entre 14 de agosto e 28 de setembro. É preciso levar ao banco um documento de identificação ou o número de registro do PIS/Pasep, consultando na hora o valor que tem direito a sacar.


 

O sonho de centenas de alunos, pais, professores e Diretores da Escola Municipal Roberto Santos, começam a ser realizado. Tudo isso porque, após incansáveis viagens à Brasília e a capital baiana, a Prefeita Pallomma Uzêda, conseguiu finalmente deixar a Prefeitura Municipal de Itamari adimplente, ou seja, com o “nome limpo” para receber recursos do Governo Federal.

Somente nesta semana, a Prefeita Palloma já autorizou o inicio das obras, que seguem “a todo vapor”, de reforma da Escola Roberto Santos. Em contato com a nossa redação, a Diretora da Escola local, relatou à alegria dos alunos e de todo o corpo de profissionais, ao receberem os profissionais para o inicio da obra.

Na manhã desta terça-feira (07), o Professor e Secretário Municipal de Educação, Donato Prado, esteve na Escola, acompanhado da Diretora, para uma visita e certificar que as obras seguem da melhor maneira possível.


 

Para dar melhores condições de trafegabilidade, acesso, conforto e comodidade à população itamariense, a Prefeitura Municipal de Itamari, por meio da Secretaria de Obras e Infraestrutura deu início às obras de calçamento em paralelos em ruas do Centro da cidade, nesta terça-feira (07).

“A Prefeitura tem investido na pavimentação de ruas, facilitando o deslocamento de moradores e usuários. Além de significar mais qualidade de vida aos cidadãos, a chegada do pavimento em vias que não contavam com esse importante benefício também garante um novo visual ao lugar e, consequentemente, a valorização dos imóveis”, disse a Prefeita Pallomma Uzêda.

As obras de pavimentação vão garantir mais qualidade de vida para a população. A pavimentação destas ruas era uma reivindicação antiga dos moradores, que reclamavam das condições precárias de tráfego e dos transtornos provocados por poeira e lama.


 

Lula decidiu retirar um pedido de liberdade que estava prestes a ser julgado pelo plenário do Supremo Tribunal Federal. Seu objetivo é evitar que os 11 ministros da Corte analisem sua situação eleitoral, o que poderia colocar em risco o registro de sua candidatura.

O PT quer inscrever o nome do ex-presidente e travar antes uma disputa no Tribunal Superior Eleitoral por sua candidatura. O partido pretende recorrer ao STF para analisar a elegibilidade de Lula apenas em caso de receber uma negativa da Justiça Eleitoral.


 

Um recém-nascido foi encontrado neste sábado (4) em um saco plástico em meio ao lixo, em uma das praças na cidade de Brejões. A criança tinha nascido há poucos minutos e foi encontrado por um feirante, que achou que o embrulho se tratava de um gato. Ao abrir o saco, o homem ficou assustado ao perceber que era um bebê. A criança foi socorrida por uma unidade do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) e depois foi encaminhada para o Hospital Municipal de Brejões. Segundo o G1, a mãe da criança, Anatália Almeida Cerqueira, foi localizada na mesma unidade de saúde, com uma hemorragia pós-parto. Ela reconheceu a criança e contou que escondeu a gravidez da família. Anatália afirmou que o parto foi realizado em casa, depois ela abandonou a criança na praça, mas teve uma hemorragia e precisou ser internada. O recém-nascido teve já recebeu alta e está sob os cuidados da avó materna. De acordo com a polícia, a mãe da criança irá responder por abandono de incapaz. *Bahia Notícias


O general Antonio Hamilton Mourão (PRTB), candidato a vice-presidente ao lado de Jair Bolsonaro (PSL) nas Eleições de 2018, afirmou em um evento nesta segunda-feira (6) que o Brasil herdou “indolência” da cultura indígena e “malandragem” do africano. O político esteve em uma reunião-almoço da Câmara de Indústria, Comércio e Serviços de Caxias do Sul, na Serra do Rio Grande do Sul, quando deu a declaração.

“Essa herança do privilégio é uma herança ibérica. Temos uma certa herança da indolência, que vem da cultura indígena. Eu sou indígena, minha gente. Meu pai é amazonense. E a malandragem, Edson Rosa (vereador de Caxias do Sul), nada contra, mas a malandragem é oriunda do africano. Então, essa é o nosso cadinho cultural. Infelizmente, gostamos de mártires, líderes populistas e dos macunaímas”, afirmou Mourão, em trecho gravado pelo jornal Pioneiro.