Fotos Mateus Pereira/GOVBA

 

O governador Rui Costa (PT) voltou a afirmar nesta segunda-feira (8) que vai encontrar espaços para os aliados e que a união será um dos motes da campanha eleitoral de 2018. O discurso, feito em entrevista à Tribuna da Bahia, é bonito e coeso. Afinal, política se faz com diálogo e Rui, principalmente em ano eleitoral, tem que estar disposto a conversar e ouvir as demandas daqueles que o apoiaram ao longo do mandato e que almejam espaço na chapa majoritária das próximas eleições. A questão, todavia, é mais do que matemática. São aliados demais, com interesses demais, para apenas quatro vagas na chapa. A única garantida é a do próprio Rui. Todas as demais ainda estão em avaliação e, por mais que o governador adie o posicionamento, PSD e PP terão prevalência para garantir uma cadeira. E não é por uma questão de posicionamento político. Entre as características que fazem de Rui um bom gestor está o seu pragmatismo. E PSD e PP detém um número expressivo de prefeituras, além de bancadas generosas na Câmara dos Deputados e na Assembleia Legislativa da Bahia. João Leão pode até ser “bonitão”, mas não é o papo do vice-governador que vai ser determinante para a permanência dele na chapa. Para além dessas duas siglas, o grande coringa de Rui é o ex-governador Jaques Wagner. O ex-ministro é cotado para o Senado e pode ter a vaga negociada com outros partidos para evitar um racha na base aliada. A hipótese seria remota, mas não descartada. Afinal, há uma tensão explícita, principalmente com o PSB, para que a senadora Lídice da Mata faça valer o “direito de reeleição” para que a aliança histórica se mantenha – ainda que, em 2014, Rui e Lídice tenham estado em palanques opostos. Outro partido que almeja espaço é o PCdoB, porém não é preciso ter dons premonitórios para saber que é uma batalha praticamente perdida. O partido não possui densidade eleitoral suficiente para pleitear uma vaga, ainda que seja o mais antigo representante da esquerda em atividade no Brasil. Rui ainda tem que aplacar a ânsia do PR, principalmente de Ronaldo Carletto, caso venha a se filiar ao partido, para não perder um naco relevante de prefeitos do PP. Diante desse cenário, Rui tem vagas de menos para candidatos demais. Só não vale fazer analogias com futebol, dizendo que possui mais jogadores disponíveis do que os adversários, em mais uma provocação à oposição. Afinal, o primeiro grande erro dele enquanto governador foi comparar policiais militares em confronto com atacantes na frente do gol. Este texto integra o comentário desta segunda-feira (8) para a RBN Digital, veiculado às 7h e às 12h30, e para as rádios Irecê Líder FM e Clube FM.

 

Fonte: BahiaNoticias


Mais de 2.400 pessoas tiveram o Bolsa Família bloqueado ou cancelado nas cidades de Gandu, Wenceslau Guimarães, Teolândia, Presidente Tancredo Neves, Piraí do Norte, Nova Ibiá, Itamarí e Apuarema, após um cruzamento de dados apontar irregularidades no recebimento do benefício do governo federal. A Bahia é o segundo estado em número de cancelamentos e de bloqueios no programa. Mais de 220 mil tiveram o Bolsa Família bloqueado ou cancelado.

De acordo com relatório da Controladoria-Geral da União (CGU) e do Ministério da Transparência, divulgado na quinta-feira (4), o estado teve 170 mil cancelamentos e 55 mil bloqueios do benefício. Em todo o país, foram encontradas inconsistências cadastrais nos dados de 2,5 milhões de famílias.

Pelas regras do Ministério do Desenvolvimento Social, tem direito ao Bolsa Família quem tem renda mensal familiar de até R$ 170 por mês. As pessoas que ganham entre R$ 170 e R$ 440 tiveram o benefício bloqueado. Já os que ganham acima de R$ 440 tiveram o benefício cancelado.

Em números exatos o município de Presidente Tancredo Neves foi o que mais teve benefícios bloqueados. Ao todo, foram contabilizados 579. Outros 143 foram cancelados.

Logo em seguida vem Gandu, com 384 bloqueios e 122 cancelamentos. Wenceslau Guimarães teve 149 cancelamentos e 351 bloqueios; Teolândia 58 cancelamentos e 136 bloqueios; Piraí do Norte 19 cancelamento e 82 bloqueios; Nova Ibiá teve 25 cancelamentos e 66 bloqueios; Itamarí somou 46 cancelamentos e 119 bloqueios, e por fim, Apuarema contabilizou 40 cancelamentos e 113 bloqueios.

Fonte: Diário Paralelo


O deputado federal e pré-candidato à Presidência, Jair Bolsonaro (PSC), e seus três filhos com mandato parlamentar tiveram patrimônio multiplicado depois que entraram na política. Os quatro são donos de 13 imóveis com preço de mercado de pelo menos R$ 15 milhões, a maioria em áreas valorizadas do Rio de Janeiro, como Copacabana, Barra da Tijuca e Urca. Os bens incluem ainda carros que variam entre R$ 45 mil e R$ 105 mil, um jet-ski e aplicações financeiras que totalizam R$ 1,7 milhão. Os dados foram levantados pela Folha na Justiça eleitoral e em cartórios. No caso do presidenciável, quando entrou na política em 1988, Bolsonaro declarava ter apenas um Fiat Panorama, uma moto e dois lotes de pequeno valor em Resente, interior do Rio de Janeiro, valendo pouco mais de R$ 10 mil em dinheiro atual. Desde então ele se dedicou apenas à política, com sete mandatos como deputado federal. Os filhos políticos são Flávio, Carlos e Eduardo. Até 2008, os quatro declaravam à Justiça Eleitoral bens em torno de R$ 1 milhão, nos quais eram incluídos apenas três dos atuais 13 imóveis. As principais aquisições ocorreram nos últimos dez anos. A casa onde Bolsonaro vive na Barra teria indícios de uma operação suspeita de lavagem de dinheiro, segundo critérios do Coaf (Ministério da Fazenda) e do Conselho Federal dos Corretores de Imóveis (Cofeci). A casa foi comprada pela Comunicativa-2003 Eventos, Promoções e Participações em setembro de 2008, por R$ 580 mil. A responsável, Marta Xavier Maia, disse à Folha que comprou o imóvel em estado ruim, reformou-o e o vendeu para o deputado quatro meses depois com redução de 31%. O prejuízo teria sido motivado pela necessidade de recursos para adquirir outro imóvel. O Cofeci avalia que existem indícios de lavagem de dinheiro porque há “aparente aumento ou diminuição injustificada do valor do imóvel” e porque o valor de contrato se mostra divergente da base de cálculo do ITBI, imposto cobrado pelas prefeituras. No mercado, é comum a prática de colocar na escritura valor abaixo do real, para driblar o imposto de lucro imobiliário. O pagamento restante ocorre por fora. Outra intenção da fraude é fazer com que o comprador não oficialize aumento patrimonial incompatível com seus vencimentos. O valor real dos imóveis de toda a família representa cerca do triplo do que foi declarado à Justiça – das duas casas na Barra, uma foi comprada por R$ 400 mil em 2009 e outra por R$ 500 mil em 2012. Jair Bolsonaro não comentou o caso. Flávio disse que se posicionaria quando voltasse do exterior, no dia 17. Carlos disse por meio de sua assessoria que seu patrimônio é modesto e igual há anos.

Fonte: Bahia Notícias


Processos administrativos foram instaurados pelo Detran entre 2011 a 2015

A reta final de 2017 já foi percorrida, mas tem gente que, passada a linha de chegada, já não pode trilhar novos caminhos em 2018, ao menos dirigindo ou pilotando um veículo motorizado. Boa parte dessas pessoas está entre os 15 mil baianos que tiveram de deixar a Carteira Nacional de Habilitação (CNH) de lado no ano passado – o número é de motoristas que perderam o direito de dirigir por até um ano, de acordo com o Departamento Estadual de Trânsito da Bahia (Detran). O órgão de trânsito analisa ainda outros 150 mil processos.

A suspensão ocorre por conta do acúmulo de 20 pontos em multas no período de um ano ou por infrações consideradas gravíssimas – que já susta o direito de dirigir, como conduzir veículo sob a influência de álcool, recusar-se a soprar o bafômetro, pilotar moto sem capacete e disputar corrida. Os processos administrativos que resultaram nas 15 mil suspensões foram instaurados entre 2011 a 2015.

Quem foi flagrado cometendo infrações gravíssimas que cabem suspensão entre 2016 e 2017 tem que ficar alerta: os condutores terão os processos abertos, promete a relatora da comissão de processos administrativos do Detran, Aline Alves.

“Hoje nós ainda temos um lapso entre a infração e a instauração do processo administrativo. Mas a partir de 2015 nós começamos uma campanha com o intuito de mostrar para o condutor que existe uma penalidade para cumprir, caso ele alcance 20 pontos e cometa essas multas”, disse Aline.

Campeões em pontos
Para se ter uma ideia, 212 baianos têm mais de 100 pontos na CNH. Desses, 135 residem em Salvador. A capital abriga o campeão de pontos da Bahia: um condutor tem 3.931 pontos na carteira.

O cabeleireiro Cláudio Góes, 32 anos, teve a permissão para dirigir suspensa em 2009. “Eu estava dirigindo uma categoria diferente da minha habilitação. Tinha carteira para moto e estava dirigindo um carro. Aí o agente registrou e minha carteira foi suspensa. Eu cheguei a entrar com recurso, mas eles indeferiram. Tive que fazer todo o processo de novo”, disse.

Na instauração do processo, o condutor tem 30 dias para realizar sua defesa. Quem tem a suspensão decretada recebe uma notificação para comparecer à unidade do Detran-BA entregar a habilitação e assinar o termo de suspensão. A penalização cabe recurso à Junta Administrativa de Recursos de Infração (Jari) e ao Conselho Estadual de Trânsito (Cetran).

O início do cumprimento da pena se dá com a assinatura e o motorista fica impedido de dirigir. Caso o motorista seja pego conduzindo qualquer veículo, poderá ter a habilitação cassada por dois anos. Após o período de suspensão, o motorista apenas terá acesso à carteira após realizar um curso de reciclagem.

O número de 15 mil é considerado “dentro da média” pela analista de transporte e tráfego, Cristina Aragón. “Dentro do universo de condutores que a Bahia tem, é um número considerado dentro da média, proporcionalmente ao número de veículos”, disse. De acordo com o Detran, a Bahia possui 2.699.124 de condutores, sendo 788.256 em Salvador.


Levantamento foi feito com dados de 2007 de sessões e comissões

Os deputados federais Sérgio Brito (PSD) e Irmão Lázaro (PSC) foram os parlamentares baianos que mais faltaram ao trabalho na Câmara em 2017. No outro extremo, o petista Valmir Assunção foi o mais assíduo – ele é o únitco que registrou 100% de presença no ano, comparecendo a todas as 119 sessões realizadas. O levantamento foi feito pela coluna Satélite. 

De acordo com os dados, Brito e Irmão Lázaro não foram a 45 das 119 sessões deliberativas, o que representa 37,8% de faltas. Este é o terceiro ano seguido que Brito lidera o ranking dos faltosos. Proporcionalmente, quem mais faltou foi Fernando Torres (PSDB). Ele deixou a Secretaria de Densevolvimento Urbano (Sedur) em setembro, quando retornou ao trabalho de parlamentar. Desde então, fora 48 sessões e ele deixou de comparecer a 22, ou seja, 45,8% do total.

 

Veja o ranking dos cinco mais faltosos (números absolutos)

1. Sérgio Brito (PSD) – 45 faltas

1. Irmão Lázaro (PSC) – 45 faltas

3. Márcio Marinho (PRB) – 38 faltas

4. Bebeto Galvão (PSB) – 36 faltas

5. João Carlos Bacelar (PR) – 27 faltas

5. Lúcio Vieira Lima (PMDB) – 27 faltas

Já entre os mais assíduos, além de Valmir Assunção, estão Roberto Britto (PP), com apenas uma falta, e Félix Mendonça Júmior (PDT), Bacelar (Podemos) e Antônio Brito (PSD), cada um com três faltas.

Veja o ranking dos cinco mais assíduos (números absolutos)

1. Valmir Assunção (PT) – sem faltas

2. Roberto Britto (PP) – uma falta

3. Félix Mendonça Júnior (PDT) – 3 faltas

3. Bacelar (Podemos) – 3 faltas

3. Antônio Brito (PSD) – 3 faltas

Comissões
Além de liderarem os faltosos em geral, Sérgio Brito e Irmão Lázaro também são os deputados federais da Bahia que menos compareceram às reuniões das comissões do ano passado. Lázaro não foi a 80,3% dos 66 encontros dos dois colegiados que participa. Brito, por sua vez, faltou a 79,5% das 73 reuniões feitas pelas três comissões que participa. Na Comissão de Defesa do Consumidor, em que os dois estão, Brito só esteve em 4 das 58 reuniões. Lázaro esteve em 11. Uldurico Júnior (PV), com 73,7% de faltas, Lúcio Vieira Lima (PMDB) – 70,6% – e Ronaldo Carletto (PP) – 69,2% – completam o ranking dos cinco mais ausentes.

Na outra via, Félix Mendonça Junior foi o mais assíduo nas reuniões das comissões que faz parte entre os baianos. Ele faltou somente 2,1% das 237 reuniões dos nove colegiados que participa. Nelson Pelegrino (PT) aparece em segundo, faltando a 5,8% dos encontros de suas comissões. Ele é seguido por Davidson Magalhães (PCdoB), com 6,8%. Jorge Solla (PT), com 11,8% de faltas, e Paulo Magalhães (PSD), com 12,3%.

Fonte: Correio24hs


 

Um ex-vereador de Porto Seguro, no sul da Bahia, Aldair Silva Andrade, foi morto a tiros na porta de casa, na manhã deste domingo (7). O crime aconteceu na Rua da Jaqueira, bairro Tabapiri, em Porto Seguro.

De acordo com a polícia, informações iniciais apontam que ele foi chamado e, ao sair da residência, foi atingido por cerca de três tiros no peito. Segundo populares, uma pessoa fugiu em um carro após os disparos. Eles não souberam informar se tinha mais alguém no veículo, e nem identificar placa e cor do automóvel.

Ainda não há suspeitas da motivação e autoria do crime, que deve ser investigado pela Polícia Civil. O corpo do ex-vereador foi encaminhado para o Departamento de Polícia Técnica de Porto Seguro. Não há informações sobre o sepultamento da vítima.

Aldair Silva Andrade tinha 41 anos e foi candidato a vereador de Porto Seguro nas eleições de 2016 pelo Partido Social Cristão (PSC), mas não foi eleito.

“Nós não temos nenhum posicionamento ainda porque não sabemos o que de fato aconteceu. Ele veio como candidato na nossa legenda na última eleição. Ele era uma pessoa querida”, lamentou ao G1 o presidente do PSC em Porto Seguro, Eduardo Levino Soares.

De 2014 a 2016, como era suplente por um outro partido político, ele assumiu uma vaga na câmara de vereadores quando um dos edis se licenciou do cargo, segundo informou o presidente do PSC.


 

A Secretaria da Receita Federal informou que serão abertas nesta segunda-feira (8), a partir das 9h, as consultas a um lote multiexercício de restituição do Imposto sobre a Renda da Pessoa Física, referentes aos exercícios de 2008 a 2017.

Os lotes residuais referem-se a contribuintes que caíram na malha fina, mas que posteriormante acertaram suas contas com o leão.

Estão incluídos nesse lote de restituição do IR 165.898 contribuintes, que receberão, em 15 de janeiro, R$ 310 milhões em restituições, informou o Fisco. A maior parte (R$ 209,5 milhões), referem-se a restituições do IR 2017, que serão depositadas para 115.102 contribuintes.

Do total, R$ 86,21 milhões serão pagos a 24.474 contribuintes idosos e 2.491 contribuintes com alguma deficiência física ou mental ou moléstia grave.

Consultas

As consultas podem ser feita pelo site da Receita Federal, aqui.

A Receita lembra que há ainda o aplicativo para tablets e smartphones que facilita consultas às declarações do IRPF e situação cadastral no CPF, diretamente nas bases de dados da Receita Federal.


Na manhã deste sábado (6) as redes sociais do Apuarema24horas recebeu dezenas de reclamações dos moradores de Apuarema. Tudo isso, porque há quase uma semana, a Embasa não tem fornecido regularmente à água para os consumidores. Desta vez, a situação está pior, pois, o calor tem aumentado e as famílias estão em período de férias das escolas, ou seja, as crianças passam mais tempo em casa, o que consome mais água.

As reclamações dos moradores sobre o abastecimento de água da embasa parte de diversos bairros da cidade e localidades diferentes. Um fato corriqueiro e questionado pela comunidade é que, após dias sem o abastecimento, a embasa emite faturas altíssimas de cobranças aos consumidores.

Nossa reportagem tentou contato com a EMBASA , mas até a publicação desta matéria não tivemos retorno.


Há quatro anos o Professor Edilton Andrade, vem se reunindo com a população do povoado de Itiúba (distrito de Jaguaquara), para arrecadar dinheiro e realizar as festas de final de ano da região.  Neste ano, pela quarta vez, após muito trabalho na realização dos preparativos e na correria para juntar um bom dinheiro, para comprar os fogos, que por sinal não são baratos, a comunidade conseguiu junto ao professor realizar a maior queima de fogos da história de Itiuba. No inicio deste ano, o Professor foi flagrado pelo Jornalista Deivid Robert, gravando comercial (amador) para os comércios, gratuitamente, como forma de agradecimento pelo apoio e parceria na realização da queima de fogos.

Em contato com nossa reportagem o Professor Edilton, fez questão de destacar a enorme parceria com a Equipe Sinalzinho da Amizade, que segundo informações do professor, foi essa equipe a responsável pela sonorização e realização da festa dançante para os mais de 1200 moradores da região.

Um fato curioso e que chamou à atenção, é que essa atitude vem sendo tomada há quatro anos, e nunca teve o apoio de políticos ou da Prefeitura Municipal de Jaguaquara.  O que prova a força de uma comunidade unida e organizada.

“Só tenho a agradecer a minha comunidade querida de Itiuba… Pela quarta vez, chegaram junto comigo e realizamos essa linda festa. Muito Obrigado, Itiuba!” – Agradeceu Edilton.

 

 

 


 

Indícios de fraude no cadastro apurados no programa Bolsa Família resultou no cancelamento de 55,675 benefícios na Bahia, o segundo maior corte do Brasil e o maior do Nordeste, constatou a auditoria do Ministério da Transparência e Controladoria-Geral da União (CGU), divulgada na quinta-feira (4). Somente na capital Salvador, são 6.389 cadastros cancelados. Em todo o país, 469.612 cadastros foram cancelados e, assim, não continuarão no programa em 2018. Inconsistência na renda cadastrada no Bolsa Família foi o dado que possibilitou identificar a quantidade de famílias inseridas no programa sem de fato se enquadrar nas regras. Conforme destacou a auditoria do CGU, 2.558.325 milhões de famílias que recebiam benefícios do programa apresentaram indícios de inconsistência cadastral.

Como explica o CGU, as irregularidades no Bolsa Família foram identificadas pelo cruzamento de dados oficiais com os valores de renda declarados pelos beneficiários no Cadastro Único. No Brasil, foram apurados erros no cadastro de 1.468.681 famílias que afirmavam receber entre R$ 170,01 e meio salário mínimo; 620.032 entre o grupo de até R$ 170; além de 469.612 famílias que diziam receber acima de meio salário mínimo. Pelo recorte estadual, 69.034 famílias na Bahia foram identificadas com dados incorretos entre o grupo com renda per capita de até R$ 170,01, e 172.288 entre R$ 170,01 e meio salário mínimo. Além dos cancelamentos e bloqueios, o relatório do Ministério da Transparência e Controladoria-Geral da União (CGU) identificou cadastros cujas famílias falsificaram a declaração da informação de renda no momento do cadastro. Na Bahia, a chamada subdeclaração foi identificada em 39.759 famílias. Ao todo, o governo estima que gastou até R$ 1,3 bilhão em pagamentos indevidos para um período de dois anos.

 

Fonte: Jequié Reporter