Uma a cada três brasileiras relataram ter sido espancada, xingada, ameaçada, agarrada, perseguida, esfaqueada, empurrada ou chutada nos últimos 12 meses. As entrevistadas pelo Datafolha no levantamento ‘Visível e Invisível: A Vitimização de Mulheres no Brasil” ouviu brasileiras a partir de 16 anos, em todo o país, a pedido do Fórum Brasileiro de Segurança Pública. Entre as ouvidas, 29% afirmaram que sofreram violência física, verbal ou psicológica no ano passado; 503 mulheres foram vítimas de agressões físicas no Brasil a cada hora e dois em cada três brasileiros (66%) presenciaram uma mulher sendo agredida física ou verbalmente no mesmo período. Por outro lado, mulheres negras (32%) e paradas (31%) sofreram mais violência no ano passado em relação às brancas (25%). A diferença aparece também quanto ao assédio: 89% das mulheres negram relataram terem sido alvo de comentários desrespeitosos ou contatos físicos, ante 35% das mulheres brancas. “Esse dado traz as marcas estruturais do racismo ainda presentes na sociedade brasileira. O corpo da mulher negra é mais facilmente sexualizado, deixando-a mais vulnerável à violência”, ressaltou Juliana Gonçalves, organizadora da Marcha das Mulheres Negras. “A mulher mais jovem tem tido mais acesso a informação e já reconhece determinados gestos, como beijo forçado ou assédio no transporte público, como formas de violência que vão além do bater ou agredir fisicamente”, explicou a socióloga especializada em violência contra a mulher, Wânia Pasinato. Apesar do acesso e até mesmo do debate público intenso após aprovação da Lei Maria da Penha em 2006, 52% das mulheres entrevistadas que relataram agressões não fizeram nada a respeito da violência sofrida. Entre as demais que tomaram alguma medida, a maioria procurou ajuda da família (13%) e apoios dos amigos (12%). Onze porcento delas buscaram uma delegacia da mulher, enquanto 10% registraram o caso em uma delegacia comum. Cinco porcento das vítimas recorreram à igreja que frequentam.  Fonte: BN


 

Na véspera do Dia Internacional da Mulher, o Supremo Tribunal Federal (STF) recebeu na terça-feira (7) uma ação que pode resultar na ampla descriminalização do aborto até a 12ª semana de gravidez no Brasil.

No fim do ano passado, a 1ª Turma do STF apresentou o entendimento em um caso específico de que o aborto até os três meses de gravidez não pode ser considerado crime. Uma ação do PSOL foi protocolada nesta terça, para esclarecer a amplitude da decisão, pois hoje a prática é permitida apenas em caso de risco de vida para a mãe, feto anencéfalo ou estupro.

Na ação, o partido argumenta que, em 2015, 500 mil mulheres no País colocaram em risco suas vidas em abortos clandestinos. “A cidadania das mulheres está sendo violada”, disse a ex-deputada Luciana Genro (PSOL-RS), apoiadora da ação.

A sigla argumenta ainda que as razões jurídicas que criminalizaram o aborto são provenientes do Código Penal de 1940 e incompatíveis com a Constituição de 1988 no que se refere à dignidade da pessoa humana e cidadania. A ação questiona os artigos 124 (que pune com até 3 anos de detenção a mulher que praticar o aborto contra si mesma) e 126 (que prevê prisão por até 4 anos do profissional que realizar a interrupção da gravidez) do Código Penal por “violarem preceitos fundamentais” garantidos às mulheres. Pede-se ainda que seja concedida liminar para suspender prisões em flagrante, inquéritos policiais e o andamento de processos.

Repercussão
Sonia Coelho, da Marcha Mundial das Mulheres, teme que o momento não seja ideal. “Há instabilidade política e Congresso conservador.” Para Francisco Borba, coordenador do Núcleo Fé e Cultura da PUC-SP, a ação é “um erro” “Não caberia ao STF legislar nem reinterpretar cláusulas constitucionais. E trata-se de negar a condição de pessoa a um indivíduo que já existe do ponto de vista biológico.”

Já o presidente da Comissão de Direito Médico da OAB-SP, Sílvio Valente, acredita que o Brasil seguirá a tendência mundial de flexibilização. “Mas acredito que ainda estamos muito longe de uma mudança na lei do aborto.” Mauro Aranha, presidente do Conselho Regional de Medicina (Cremesp), afirma que a entidade não tem posição. “É preciso fazer uma ampla discussão.”

Fonte: Correios24hs



 

O Prefeito Raival Pinheiro, acompanhado do Vice Prefeito Catarino Rodrigues e o Presidente da Câmara de Vereadores Marquinhos de Bobo, estiveram em reunião com o Major Fábio Rodrigo de Melo, Comandante da Policia especializada CIPE CENTRAL, a fim de pedir mais policiamento da referida polícia em Apuarema.

 

Segundo o Prefeito Raival Pinheiro, o Major se colocou a disposição do Município e disse que mandará viatura com policias mais vezes ao Município para reforçar ainda mais a segurança da cidade. O Prefeito propôs uma parceria para implantar uma base da CIPE aqui em Apuarema. Segundo ele, o Major Rodrigo, disse que fará o possível para que essa parceria seja feita.

 

Os policiais militares que atuam no Município de Apuarema, também tem feito excelente trabalho em toda a cidade. Com as visitas do policiamento da CIPE CENTRAL, o povo de Apuarema se sentira ainda mais seguro.

 

ASCOM/Prefeitura de Apuarema


 

Com a liberação dos recursos em contas inativas do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS), famílias de trabalhadores que morreram antes da edição da medida podem sacar o dinheiro, informa a Agência Brasil. Nesse caso, para ter acesso aos recursos, é necessário apresentar a carteira de trabalho do titular da conta, além da identidade do sacador ao solicitar o resgate junto à Caixa Econômica Federal. Entre as pessoas que têm legitimidade sobre os bens do trabalhador que morreu, estão o cônjuge ou os herdeiros. Caso a família não tenha um inventário deixado pelo ente falecido indicando a divisão de bens, é preciso ir até o Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) e solicitar a emissão de uma declaração de dependência econômica e da inexistência de dependentes preferenciais. Além disso, o INSS emite uma declaração de dependentes que podem receber a pensão por morte e que têm direito aos valores. Também é necessário apresentar a identidade e o CPF dos filhos do trabalhador que forem menores de idade. Os recursos serão partilhados e depositados na caderneta de poupança desses dependentes, que só poderão acessá-la após completarem 18 anos.


[

Cinco pessoas foram detidas sob suspeita de terem participado do episódio que culminou com morte.
Uma “revelação divina” fez com que uma nicaraguense de 25 anos fosse amarrada e queimada viva numa fogueira para ser “curada” em uma suposta tentativa de exorcismo. Vilma Trujillo, que sofreu queimaduras em 80% de seu corpo, não resistiu e morreu na terça-feira (28), depois de uma semana de agonia. A morte da jovem comoveu a Nicarágua. De acordo com a Polícia Nacional do país, a mulher foi levada para “uma oração de cura”, no dia 15 de fevereiro, a um templo da igreja evangélica Visão Celestial das Assembleias de Deus, em El Cortezal, no noroeste do país. Vilma Trujillo teve os pés e mãos amarrados e ficou sob a supervisão do pastor da igreja, identificado por autoridades locais como Juan Gregorio Rocha – homem que a Assembleia de Deus nega reconhecer como pastor. O marido da vítima, Reynaldo Peralta, afirmou que Vilma Trujillo, mãe de duas crianças, foi levada à força pelos integrantes da igreja. Eles a acusavam de ter tentado atacar pessoas com um facão. Para Peralta, a mulher não estava “possuída pelo demônio”, mas havia sido vítima de um ato de “bruxaria”. “Ela tomava um remédio dado por um homem que, pelo que fiquei sabendo agora da família dela, a havia estuprado. Desde que começou a tomar o remédio, mudou um pouco comigo”, disse o marido ao jornal La Prensa. Em sua defesa, Gregorio Rocha afirmou ao mesmo jornal que Trujillo caiu no fogo quando “o espírito do demônio saiu do corpo dela”. Ele negou que alguém a tenha jogado na fogueira. Até o momento, cinco pessoas já foram detidas por suspeita de terem participado do crime, entre eles o pastor Gregório Rocha e a diaconisa Esneyda Orozco. A morte de Vilma Trujillo causou comoção na Nicarágua, onde a proporção de católicos vem caindo há 20 anos – hoje são menos de 50% da população, enquanto que os evangélicos chegam a quase 40%.
Fonte: G1

 

O empresário Marcelo Odebrecht confirmou, em depoimento ao TSE nesta quarta-feira (1º), a doação de R$ 150 milhões à chapa Dilma-Temer na eleição de 2014 como caixa dois. Parte desse valor foi contrapartida pela aprovação da medida provisória do Refis, que beneficiou o grupo. O ex-presidente da Odebrecht não precisou, porém, quanto do total repassado à campanha era propina.

Veja os principais pontos do depoimento:
– Empresário diz ter pago R$ 150 milhões em caixa 2 à chapa Dilma-Temer em 2014
– Parte do valor foi pago no exterior ao marqueteiro do PT, João Santana, com conhecimento de Dilma
– R$ 50 milhões foram contrapartida por uma medida provisória de 2009 que beneficiou o grupo
– Empresário confirma que se reuniu com Temer para tratar de doações ao PMDB em 2014, mas nega ter tratado de valores com o então vice-presidente

A audiência de Marcelo Odebrecht ocorreu na tarde de quarta-feira (1º) na sede do Tribunal Regional Eleitoral do Paraná (TRE-PR), em Curitiba, e terminou por volta das 18h30. O conteúdo do depoimento será mantido sob sigilo.

O empresário, que está preso na carceram da PF em Curitiba, foi ouvido como testemunha nas ações que tramitam no tribunal pedindo a cassação da chapa Dilma Rousseff-Michel Temer por suposto abuso de poder político e econômico na eleição presidencial de 2014.

 

Fonte: g1


 

 

 

O Presidente da Câmara de Vereadores de Apuarema, Marcos Hurange , PMDB, durante a sessão ordinária da Câmara de Vereadores , na ultima terça-feira (21) , pediu a comunidade e a todos os presentes que ficassem de pé e em silencio durante um minuto em homenagem a morte do jovem Wagner. O Gesto de solidariedade foi repetido no final da sessão.

Para Marcos, a necessidade da homenagem era necessariamente humana, pois, o mesmo acredita que não havia condições de passar despercebido durante um fato que abalou e muito a estrutura dos cidadãos de Apuarema.

Wagner foi vitima de um crime de latrocínio neste ultimo domingo (19) quando retornava do distrito Florestal.


 

O Vereador Eri da Serralheria (PSL) esteve visitando na manhã desta última terça-feira (21) o Bairro Vermelho e a Rua Martinho Lutero a pedido dos moradores. Durante a visita, os moradores pediram ao vereador que fosse solicitado ao Prefeito Raival Pinheiro , o calçamento de uma ladeira que liga a Rua Martinho Lutero ao Bairro Vermelho, além de alguns reparos e fechamento de esgotos abertos pela “embasa”. De acordo com os moradores, a Prefeitura está constantemente ativa na região, porém, a embasa tem causado tais transtornos

 

.

No mesmo dia à noite, durante sessão ordinária da Câmara de Vereadores do Município de Apuarema, na presença da comunidade e do Prefeito do Município, Eri entregou o pedido do povo e o Prefeito já solicitou a Secretaria de Obras para fazer o levantamento da situação.

Desde que venceu as eleições, Eri vem desempenhando seu papel de fiscalizador e legislador, visitando a comunidade e em especial seus eleitores.


 

Gestão democrática. Esse é o objetivo do Prefeito Raival Pinheiro. Sendo assim, o Prefeito utilizou mais uma vez da tribuna livre da Câmara Municipal de Vereadores, para falar dos seus 52 dias de governo em Apuarema.

 

Raival Pinheiro, falou dos avanços e desafios a frente do Poder Executivo. Segundo o Prefeito a Saúde e Educação vem recebendo atenção especial e mais investimentos. O mesmo falou ainda da importância de conseguir o transporte gratuito integral para os estudantes de curso superior e técnico em Jequié.  A infraestrutura está começando caminhar, a licitação para a compra das lâmpadas para iluminar a cidade já está sendo concluída.

 

Raival, falou que exigirá que todo o seu secretariado faça o mesmo e vá a Câmara falar das ações de cada secretaria para que o povo fique sabendo do que acontece no Município.

 

Ao final do discurso o Prefeito Raival Pinheiro, falou que sexta feira (24) os salários dos funcionários já estarão nas contas, bem como o reajuste do piso salarial para os professores do magistério que será de 7,64%.

 

ASCOM/Prefeitura de Apuarema